More ideas from Ana
não sei fingir sentimentos. não sei ensaiar simpatia. ainda não aprendi a ignorar o que me ofende, me acomodar com o que incomoda, usar o silêncio como suposta superioridade e pseudo-atestado de controle. jamais conseguiria, vivo à flor da pele, obedeço ao coração. meu riso será indecente quando surgido, meu questionamento será inevitável quando provocado, meu choro, um convite: me conheça.

não sei fingir sentimentos. não sei ensaiar simpatia. ainda não aprendi a ignorar o que me ofende, me acomodar com o que incomoda, usar o silêncio como suposta superioridade e pseudo-atestado de controle. jamais conseguiria, vivo à flor da pele, obedeço ao coração. meu riso será indecente quando surgido, meu questionamento será inevitável quando provocado, meu choro, um convite: me conheça.

e apesar de rir e fingir que não me importo, eu me importo sim. tem dias que gostaria de ser diferente, mas isso é impossível. estou presa ao caráter com qual nasci, e mesmo assim tenho certeza de que não sou má pessoa. faço o máximo para agradar a todos, mais do que eles suspeitariam.

e apesar de rir e fingir que não me importo, eu me importo sim. tem dias que gostaria de ser diferente, mas isso é impossível. estou presa ao caráter com qual nasci, e mesmo assim tenho certeza de que não sou má pessoa. faço o máximo para agradar a todos, mais do que eles suspeitariam.

"Quem nasceu com a sensibilidade exacerbada sabe quão difícil é engolir a vida" sem vomitar as dores, o medo, a ansiedade e o desalento, mas o pior é ver tudo isso transformado em doença. O maior desafio do ser humano é aprender a curar as próprias feridas.

"Quem nasceu com a sensibilidade exacerbada sabe quão difícil é engolir a vida" sem vomitar as dores, o medo, a ansiedade e o desalento, mas o pior é ver tudo isso transformado em doença. O maior desafio do ser humano é aprender a curar as próprias feridas.