Estética retrô ganha ares atuais na sala de estar. André Piva

Décor do dia: se os anos 1950 fossem agora

Estética retrô ganha ares atuais na sala de estar. André Piva

Josè Marton, luminaria infinita

Luminárias contam a história do design brasileiro desde os anos 50

Josè Marton, luminaria infinita

Eu lembro qdo o sorvete vinha em lata. #toVelho

Eu lembro qdo o sorvete vinha em lata. #toVelho

Sabe aqueles azulejos clarinhos e os armários coloridos típicos da casa dos anos 50 e 60? Tem gente que ama e quer reproduzir no décor

Sabe aqueles azulejos clarinhos e os armários coloridos típicos da casa dos anos 50 e 60? Tem gente que ama e quer reproduzir no décor

Os arcos. Reparem o vão central que foi aberto. Hoje ele não existe mais. Final dos anos '50

LAPA

Os arcos. Reparem o vão central que foi aberto. Hoje ele não existe mais. Final dos anos '50

Os anos 50 na identidade do Woopidoo

Os anos 50 na identidade do Woopidoo

A moda agora na gastronomia são as Vans de “street food”, que vendem comidas elaboradas de forma etinerante. Pois o Woopidoo é uma destas vans que vendem cafés em Moscow e na identidade…

Tonia Carrero, brasileira. Foi estrela na Companhia Vera Cruz. Brilhou também no teatro, ao lado de Paulo Autran durante os anos 50 e 60.

Tonia Carrero, brasileira. Foi estrela na Companhia Vera Cruz. Brilhou também no teatro, ao lado de Paulo Autran durante os anos 50 e 60.

O cobogó foi criado por três homens, os quais usaram as primeiras sílabas dos seus sobrenomes para denominar a criação: Amadeu Coimbra, Ernest Boeckmann e Antônio de Góis. Os criadores usaram como inspiração os Muxarabis, elementos árabes de madeira aplicadas geralmente em janelas para que as mulheres pudessem ver a rua sem serem vistas. Foi nos anos 50 que os cobogós ganharam fama, principalmente no Nordeste brasileiro.

O cobogó foi criado por três homens, os quais usaram as primeiras sílabas dos seus sobrenomes para denominar a criação: Amadeu Coimbra, Ernest Boeckmann e Antônio de Góis. Os criadores usaram como inspiração os Muxarabis, elementos árabes de madeira aplicadas geralmente em janelas para que as mulheres pudessem ver a rua sem serem vistas. Foi nos anos 50 que os cobogós ganharam fama, principalmente no Nordeste brasileiro.

MODA ANOS 50: A cintura era bem marcada e os sapatos eram de saltos altos, além das luvas e outros acessórios luxuosos, como peles. Essa silhueta extremamente feminina e jovial atravessou toda a década de 50 e se manteve como base para a maioria das criações desse período. Apesar de tudo indicar que a moda seguiria o caminho da simplicidade e praticidade, acompanhando todas as mudanças provocadas pela guerra, nunca uma tendência foi tão rapidamente aceita pelas mulheres.

MODA ANOS 50: A cintura era bem marcada e os sapatos eram de saltos altos, além das luvas e outros acessórios luxuosos, como peles. Essa silhueta extremamente feminina e jovial atravessou toda a década de 50 e se manteve como base para a maioria das criações desse período. Apesar de tudo indicar que a moda seguiria o caminho da simplicidade e praticidade, acompanhando todas as mudanças provocadas pela guerra, nunca uma tendência foi tão rapidamente aceita pelas mulheres.

Festa Fotográfica – Uma festa para ficar na história

Festa Fotográfica – Uma festa para ficar na história

Toda festa de aniversário é um momento muito especial. Esta, de 50 anos, foi planejada com muito carinho pela aniversariante que procurou fotos de todos os convidados para compor a decoração. Com a... Mais

Pinterest
Pesquisar