Cozinhando com amigos: Comida de boteco - Buraco quente de picadinho

Cozinhando com amigos: Comida de boteco - Buraco quente de picadinho

ROSAS EM POESIAS: Vinícius de Moraes - Soneto da despedida De repente do riso fez-se o pranto Silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fez-se a espuma E das mãos espalmadas fez-se o espanto.  De repente da calma fez-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fez-se o pressentimento E do momento imóvel fez-se o drama.  De repente, não mais que de repente Fez-se de triste o que se fez amante E de sozinho o que se fez contente.  Fez-se do amigo próximo o distante…

ROSAS EM POESIAS: Vinícius de Moraes - Soneto da despedida De repente do riso fez-se o pranto Silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fez-se a espuma E das mãos espalmadas fez-se o espanto. De repente da calma fez-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fez-se o pressentimento E do momento imóvel fez-se o drama. De repente, não mais que de repente Fez-se de triste o que se fez amante E de sozinho o que se fez contente. Fez-se do amigo próximo o distante…

Soneto do amigo Enfim, depois de tanto erro passado Tantas retaliações, tanto perigo Eis que ressurge noutro o velho amigo Nunca perdido, sempre reencontrado. É bom sentá-lo novamente ao lado Com... — Vinicius de Moraes

Soneto do amigo Enfim, depois de tanto erro passado Tantas retaliações, tanto perigo Eis que ressurge noutro o velho amigo Nunca perdido, sempre reencontrado. É bom sentá-lo novamente ao lado Com... — Vinicius de Moraes

Soneto do Amigo de Vinicuis de Morais por Cassimiro

Soneto do Amigo de Vinicuis de Morais por Cassimiro

#frasedodia  Soneto do amigo  Enfim, depois de tanto erro passado  Tantas retaliações, tanto perigo  Eis que ressurge noutro o velho amigo  Nunca perdido, sempre reencontrado.  É bom sentá-lo novamente ao lado  Com olhos que contêm o olhar antigo  Sempre comigo um pouco atribulado  E como sempre singular comigo.  Um bicho igual a mim, simples e humano  Sabendo se mover e comover  E a disfarçar com o meu próprio engano.   Vinicius de Moraes

#frasedodia Soneto do amigo Enfim, depois de tanto erro passado Tantas retaliações, tanto perigo Eis que ressurge noutro o velho amigo Nunca perdido, sempre reencontrado. É bom sentá-lo novamente ao lado Com olhos que contêm o olhar antigo Sempre comigo um pouco atribulado E como sempre singular comigo. Um bicho igual a mim, simples e humano Sabendo se mover e comover E a disfarçar com o meu próprio engano. Vinicius de Moraes

A Estrambólica Arte = ciência + tecnologia + arte: Soneto do Amigo - Vinicius de Morais

A Estrambólica Arte = ciência + tecnologia + arte: Soneto do Amigo - Vinicius de Morais

cartas para amigo secreto, poema do amigo secreto

cartas para amigo secreto, poema do amigo secreto

Pinterest
Pesquisar