Explore Maria Fumaça, Museu Da e muito mais!

Fachada do museu.

Fachada do museu.

Resultado de imagem para museu da imigração trem

Resultado de imagem para museu da imigração trem

Você sabia que tem um passeio de Maria Fumaça dentro da cidade? O Trem Cultural dos Imigrantes fabricado em 1922, pertenceu à antiga Estrada de Ferro Central do Brasil e sai da Rua Visconde de Parnaíba, 1253 na Mooca (bem em frente ao Museu da Imigração). Os passeios custam entre 10 e 15 reais e acontecem aos sábados e domingos das 10:30 às 16:00hs. O trajeto dura aproximadamente 25 minutos e aconselho uma dobradinha com uma visita ao Museu (R$ 6,00).

Você sabia que tem um passeio de Maria Fumaça dentro da cidade? O Trem Cultural dos Imigrantes fabricado em 1922, pertenceu à antiga Estrada de Ferro Central do Brasil e sai da Rua Visconde de Parnaíba, 1253 na Mooca (bem em frente ao Museu da Imigração). Os passeios custam entre 10 e 15 reais e acontecem aos sábados e domingos das 10:30 às 16:00hs. O trajeto dura aproximadamente 25 minutos e aconselho uma dobradinha com uma visita ao Museu (R$ 6,00).

Este painel é lindíssimo.Tem uns 15 m de comprimento e uns 3 de altura. É de madeira e tem os sobrenomes de muitos dos imigrantes que passaram por aqui (infelizmente, não estão em ordem alfabética).

Este painel é lindíssimo.Tem uns 15 m de comprimento e uns 3 de altura. É de madeira e tem os sobrenomes de muitos dos imigrantes que passaram por aqui (infelizmente, não estão em ordem alfabética).

Museu-da-Imigracao-noite

Museu do Imigrante

Museu-da-Imigracao-noite

Maria Fumaça

Maria Fumaça

Detalhe da janela do vagão de 1928, em madeira, com venezianas e vidros jateados com a logomarca da ferrovia (SPR, São Paulo Railway).

Detalhe da janela do vagão de 1928, em madeira, com venezianas e vidros jateados com a logomarca da ferrovia (SPR, São Paulo Railway).

Maria Fumaça do Memorial do Imigrante.JPG

Maria Fumaça do Memorial do Imigrante.JPG

O vagão da década de 1950, estacionado na plataforma, esperando o embarque. Na foto, o André, garoto que é voluntário na ABPF.

O vagão da década de 1950, estacionado na plataforma, esperando o embarque. Na foto, o André, garoto que é voluntário na ABPF.

O vagão de 1928, em sua glória. Sabe-se pouco de sua história, apenas que ele era emprestado e/ou alugado para gente importante e podia ser configurado, internamente, de diversas maneiras.

O vagão de 1928, em sua glória. Sabe-se pouco de sua história, apenas que ele era emprestado e/ou alugado para gente importante e podia ser configurado, internamente, de diversas maneiras.

Pinterest
Pesquisar