Pinterest • O catálogo de ideias do mundo todo

Explore Faz Campanha, Campanha Contra e muito mais!

Caso seja autorizada pelo Ibama a tocar seu projeto, a Manabi vai usar um milhão de litros de água por hora no mineroduto. Lançará esta água contaminada com minério diretamente no mar. A ONG Voz da Natureza faz campanha contra o porto, mostrando algumas das espécies ameaçadas pelo empreendimento. Entre elas, a Toninha (Pontoporia blainvillei), em perigo de extinção, o camarão, a tartaruga-de-couro, o boto cinza, a baleia jubarte, a raia-manta e o caranguejo-eremita.

12.02.2016 | A região marinha atualmente ameaçada pelo superporto e pelo mineroduto é de extrema importância para a conservação da biodiversidade. Fica ao lado da Unidade Municipal de Conservação de Degredo, que abriga centenas de espécies de orquídeas e bromélias selvagens, e é área de desova de tartarugas marinhas. O porto da Manabi destrói de forma irreversível a única área de desova regular das tartarugas-gigantes ou tartarugas-de-couro, em todo o litoral brasileiro.

Centenas de milhares de hectares são desmatados para a construção de usinas na Amazônia. Entenda como a geração de “energia limpa” destrói a maior floresta do mundo

Pelo porto, a Manabi quer movimentar 25 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. O minério sairá do Morro do Pilar, em Minas Gerais. A empresa já recebeu o licenciamento ambiental para a mina. O Porto Norte Capixaba pode operar em 2018, como quer a empresa. Tem previsão de usar uma retroárea de 500 hectares e quebra-mar de 1,4 quilômetro, com ponte de três quilômetros avançando sobre o ambiente marinho.

Análise: Urbanização rápida deu condições para avanço do ‘Aedes’ - Saúde

'Megalópoles são desprovidas de condições de saneamento; são cidades impermeabilizadas, sem política de captação da água'

Belo Monte é multada em R$ 35,3 milhões por morte de peixes e dados falsos - Economia

| abril.2016 | A concessionária Norte Energia, dona da hidrelétrica de Belo Monte, foi multada pelo Ibama em mais R$ 27,3 milhões, por conta da morte de 16,2 toneladas de peixes durante o processo de enchimento de seu reservatório. Além de ser responsável pelo crime ambiental, a empresa também foi punida por apresentar "informações parcialmente falsas" sobre a contratação de trabalhadores para resgate dos peixes.

Estamos sofrendo o transtorno de déficit de natureza

O escritor americano Richard Louv cunhou o termo transtorno de déficit de natureza para chamar a atenção para o conjunto de problemas físicos e mentais derivados de uma vida desconectada do mundo natural. Ele reúne pesquisas e argumentos para mostrar que o ser humano precisa de experiências na natureza. Segundo Louv, crianças em contato com a natureza melhoram o desempenho na escola e podem até reduzir os sintomas de distúrbio de déficit de atenção.

Um dia após o rompimento de duas barragens de contenção de resíduos de mineração no município de Mariana, em Minas Gerais, na tarde dessa quinta-feira, diretores da empresa responsável pelas barragens, a mineradora Samarco, disseram ontem (6), em entrevista à imprensa, que cerca de 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos foram liberados no meio ambiente, o suficiente para encher 24.800 piscinas olímpicas. (Fonte: Agência Brasil) Foto: Douglas Resende e Rafael Lage

O movimento de resgatar a identidade quilombola não é restrito ao local, mas representa uma dinâmica de diversas comunidades no país, intensificado desde 2003, quando foi regulamentado o processo de demarcação das terras quilombolas pelo governo federal. Em sua maioria, as comunidades foram formadas por escravos que fugiram de fazendas de cacau e se estabeleceram nas margens do rio Amazonas. Hoje, os quilombolas que moram naqueles mesmos lugares vivem principalmente da subsistência.

Otavalo

Barracas de vendas de redes no Mercado de Otavalo, Equador. O mundialmente famoso mercado de artes aos sábados é um dos mais bem conhecidos dos Andes. Os tecelões indígenas de vilas ao redor de Otavalo estão entre os mais talentosos do Equador, e ganharam reconhecimento e prosperidade a nível internacional. No entanto, você pode comprar qualquer dia no mercado de artesanato da Praça dos Ponchos. Fotógrafo: Jeroen Bartos, via Flickr.