Explore Faz Campanha, Campanha Contra e muito mais!

Explorar tópicos relacionados

Caso seja autorizada pelo Ibama a tocar seu projeto, a Manabi  vai usar um  milhão de litros de água por hora no mineroduto. Lançará esta água contaminada com minério diretamente no mar. A ONG Voz da Natureza faz campanha contra o porto, mostrando algumas das espécies ameaçadas pelo empreendimento. Entre elas, a Toninha (Pontoporia blainvillei), em perigo de extinção, o camarão,  a  tartaruga-de-couro, o  boto cinza, a baleia jubarte, a raia-manta e o caranguejo-eremita.

Caso seja autorizada pelo Ibama a tocar seu projeto, a Manabi vai usar um milhão de litros de água por hora no mineroduto. Lançará esta água contaminada com minério diretamente no mar. A ONG Voz da Natureza faz campanha contra o porto, mostrando algumas das espécies ameaçadas pelo empreendimento. Entre elas, a Toninha (Pontoporia blainvillei), em perigo de extinção, o camarão, a tartaruga-de-couro, o boto cinza, a baleia jubarte, a raia-manta e o caranguejo-eremita.

12.02.2016 | A região marinha atualmente ameaçada pelo superporto e pelo mineroduto é de extrema importância para a conservação da biodiversidade. Fica ao lado da Unidade Municipal de Conservação de Degredo, que abriga centenas de espécies de orquídeas e bromélias selvagens, e é área de desova de tartarugas marinhas. O porto da Manabi destrói de forma irreversível a única área de desova regular das tartarugas-gigantes ou tartarugas-de-couro, em todo o litoral brasileiro.

12.02.2016 | A região marinha atualmente ameaçada pelo superporto e pelo mineroduto é de extrema importância para a conservação da biodiversidade. Fica ao lado da Unidade Municipal de Conservação de Degredo, que abriga centenas de espécies de orquídeas e bromélias selvagens, e é área de desova de tartarugas marinhas. O porto da Manabi destrói de forma irreversível a única área de desova regular das tartarugas-gigantes ou tartarugas-de-couro, em todo o litoral brasileiro.

Pelo porto, a Manabi quer movimentar  25 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. O minério sairá do Morro do Pilar, em Minas Gerais. A empresa já recebeu o licenciamento ambiental para a mina. O Porto Norte Capixaba pode  operar em 2018, como quer a empresa. Tem previsão de usar uma retroárea de 500 hectares e quebra-mar de 1,4 quilômetro, com ponte de três quilômetros avançando sobre o  ambiente marinho.

Pelo porto, a Manabi quer movimentar 25 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. O minério sairá do Morro do Pilar, em Minas Gerais. A empresa já recebeu o licenciamento ambiental para a mina. O Porto Norte Capixaba pode operar em 2018, como quer a empresa. Tem previsão de usar uma retroárea de 500 hectares e quebra-mar de 1,4 quilômetro, com ponte de três quilômetros avançando sobre o ambiente marinho.

24.03.2016 | Na manhã de ontem, a PF iniciou uma operação para desmontar um grupo que atua em Boa Vista e Alto Alegre na extração ilegal de madeira nobre da Floresta Nacional de Roraima e na TI Yanomami. Foi cumprido um mandando de prisão contra o cabeça do grupo, de 45 anos, cujo nome não foi revelado, e dois de busca e apreensão. Os mandados foram deferidos pela Justiça Federal em Roraima depois de pedido feito pelo delegado que preside o inquérito que investiga crimes ambientais.

24.03.2016 | Na manhã de ontem, a PF iniciou uma operação para desmontar um grupo que atua em Boa Vista e Alto Alegre na extração ilegal de madeira nobre da Floresta Nacional de Roraima e na TI Yanomami. Foi cumprido um mandando de prisão contra o cabeça do grupo, de 45 anos, cujo nome não foi revelado, e dois de busca e apreensão. Os mandados foram deferidos pela Justiça Federal em Roraima depois de pedido feito pelo delegado que preside o inquérito que investiga crimes ambientais.

Em maio, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou a STF a abertura de inquérito para investigar o então ministro do Planejamento, além de Renan Calheiros e os senadores Valdir Raupp (RO) e Jader Barbalho (PA), ambos do PMDB. Os peemedebistas são suspeitos de integrar um esquema de pagamento de propina na construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

Em maio, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou a STF a abertura de inquérito para investigar o então ministro do Planejamento, além de Renan Calheiros e os senadores Valdir Raupp (RO) e Jader Barbalho (PA), ambos do PMDB. Os peemedebistas são suspeitos de integrar um esquema de pagamento de propina na construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

| abril.2016 | A concessionária Norte Energia, dona da hidrelétrica de Belo Monte, foi multada pelo Ibama em mais R$ 27,3 milhões, por conta da morte de 16,2 toneladas de peixes durante o processo de enchimento de seu reservatório. Além de ser responsável pelo crime ambiental, a empresa também foi punida por apresentar "informações parcialmente falsas" sobre a contratação de trabalhadores para resgate dos peixes.

| abril.2016 | A concessionária Norte Energia, dona da hidrelétrica de Belo Monte, foi multada pelo Ibama em mais R$ 27,3 milhões, por conta da morte de 16,2 toneladas de peixes durante o processo de enchimento de seu reservatório. Além de ser responsável pelo crime ambiental, a empresa também foi punida por apresentar "informações parcialmente falsas" sobre a contratação de trabalhadores para resgate dos peixes.

O atual segundo-vice-presidente do Senado é alvo de quatro investigações no STF. No Inquérito 3989, da Lava Jato, Jucá responde pelos crimes de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e corrupção passiva.

O atual segundo-vice-presidente do Senado é alvo de quatro investigações no STF. No Inquérito 3989, da Lava Jato, Jucá responde pelos crimes de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e corrupção passiva.

Barracas de vendas de redes no Mercado de Otavalo, Equador. O mundialmente famoso mercado de artes aos sábados é um dos mais bem conhecidos dos Andes. Os tecelões indígenas de vilas ao redor de Otavalo estão entre os mais talentosos do Equador, e ganharam reconhecimento e prosperidade a nível internacional.  No entanto, você pode comprar qualquer dia no mercado de artesanato da Praça dos Ponchos.  Fotógrafo: Jeroen Bartos, via Flickr.

Barracas de vendas de redes no Mercado de Otavalo, Equador. O mundialmente famoso mercado de artes aos sábados é um dos mais bem conhecidos dos Andes. Os tecelões indígenas de vilas ao redor de Otavalo estão entre os mais talentosos do Equador, e ganharam reconhecimento e prosperidade a nível internacional. No entanto, você pode comprar qualquer dia no mercado de artesanato da Praça dos Ponchos. Fotógrafo: Jeroen Bartos, via Flickr.

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de Presidente da República, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 25 da Carta das Nações Unidas, promulgada pelo Decreto nº 19.841, de 22 de outubro de 1945, e Considerando a adoção pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas da Resolução 2280 (2016), de 7 de abril de 2016, que renova o regime de sanções aplicáveis ao Sudão do Sul.

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de Presidente da República, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 25 da Carta das Nações Unidas, promulgada pelo Decreto nº 19.841, de 22 de outubro de 1945, e Considerando a adoção pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas da Resolução 2280 (2016), de 7 de abril de 2016, que renova o regime de sanções aplicáveis ao Sudão do Sul.

Um dia após o rompimento de duas barragens de contenção de resíduos de mineração no município de Mariana, em Minas Gerais, na tarde dessa quinta-feira, diretores da empresa responsável pelas barragens, a mineradora Samarco, disseram ontem (6), em entrevista à imprensa, que cerca de 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos foram liberados no meio ambiente, o suficiente para encher 24.800 piscinas olímpicas. (Fonte: Agência Brasil) Foto: Douglas Resende e Rafael Lage

Um dia após o rompimento de duas barragens de contenção de resíduos de mineração no município de Mariana, em Minas Gerais, na tarde dessa quinta-feira, diretores da empresa responsável pelas barragens, a mineradora Samarco, disseram ontem (6), em entrevista à imprensa, que cerca de 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos foram liberados no meio ambiente, o suficiente para encher 24.800 piscinas olímpicas. (Fonte: Agência Brasil) Foto: Douglas Resende e Rafael Lage

Pinterest
Pesquisar