Explore Julgamento, Processo e muito mais!

Explorar tópicos relacionados

| 2ª Turma do STF: doação eleitoral pode maquiar propina | Gilmar Mendes e Dias Toffoli só admitiram a acusação por corrupção contra o peemedebista.  A maioria dos integrantes da turma, no entanto, defendeu que esse debate sobre a caracterização das doações deve ser feito no julgamento de mérito das ações penais, quando a fase de produção de provas do processo estiver concluída. Essa questão dos repasses eleitorais para ocultar vantagens indevidas aparece em vários inquéritos da Lava Jato.

| 2ª Turma do STF: doação eleitoral pode maquiar propina | Gilmar Mendes e Dias Toffoli só admitiram a acusação por corrupção contra o peemedebista. A maioria dos integrantes da turma, no entanto, defendeu que esse debate sobre a caracterização das doações deve ser feito no julgamento de mérito das ações penais, quando a fase de produção de provas do processo estiver concluída. Essa questão dos repasses eleitorais para ocultar vantagens indevidas aparece em vários inquéritos da Lava Jato.

Marcelo Odebrecht foi condenado nesta terça-feira a 19 anos de prisão por seu envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, o considerou culpado dos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e o aponta como integrante de organização criminosa. Presidente afastado da Odebrecht, ele estava preso preventivamente desde junho de 2015, e por decisão do magistrado continuará detido até ter os recursos…

Marcelo Odebrecht é condenado a 19 anos de prisão pela Lava Jato

Marcelo Odebrecht foi condenado nesta terça-feira a 19 anos de prisão por seu envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, o considerou culpado dos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e o aponta como integrante de organização criminosa. Presidente afastado da Odebrecht, ele estava preso preventivamente desde junho de 2015, e por decisão do magistrado continuará detido até ter os recursos…

Segundo a PF, um integrante da CPI da Petrobras no Senado e da CPI mista da estatal teria "atuado de forma incisiva no sentido de evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento, mediante a cobrança de pagamentos indevidos travestidos de doações eleitorais oficiais em favor dos partidos de sua base de sustentação".  Gim Argello era o vice-presidente da Comissão, que funcionou em 2014. O ex-senador era próximo da presidente Dilma –os dois já foram parceiros de caminhadas.

Ex-senador Gim Argello é preso em nova fase da Lava Jato

Segundo a PF, um integrante da CPI da Petrobras no Senado e da CPI mista da estatal teria "atuado de forma incisiva no sentido de evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento, mediante a cobrança de pagamentos indevidos travestidos de doações eleitorais oficiais em favor dos partidos de sua base de sustentação". Gim Argello era o vice-presidente da Comissão, que funcionou em 2014. O ex-senador era próximo da presidente Dilma –os dois já foram parceiros de caminhadas.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, durante a votação sobre o pacote que reúne um conjunto de medidas de combate à corrupção (DF)

Após votação das dez medidas, clima na Lava Jato é de 'ressaca total'

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, durante a votação sobre o pacote que reúne um conjunto de medidas de combate à corrupção (DF)

24.11.2015 | A Polícia Federal prendeu na manhã desta terça-feira o pecuarista José Carlos Bumlai em decorrência da 21ª fase da operação Lava Jato, que investiga os desvios bilionários da Petrobras. Apontado como amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bumlai é acusado de fazer tráfico de influência usando o nome do ex-presidente Lula e até de seus parentes. Batizada de Passe Livre, essa nova fase da Lava Jato levou esse nome porque Bumlai tinha livre acesso ao Palácio do Planalto.

Pecuarista Bumlai é preso por tráfico de influência usando o nome de Lula

24.11.2015 | A Polícia Federal prendeu na manhã desta terça-feira o pecuarista José Carlos Bumlai em decorrência da 21ª fase da operação Lava Jato, que investiga os desvios bilionários da Petrobras. Apontado como amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bumlai é acusado de fazer tráfico de influência usando o nome do ex-presidente Lula e até de seus parentes. Batizada de Passe Livre, essa nova fase da Lava Jato levou esse nome porque Bumlai tinha livre acesso ao Palácio do Planalto.

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (26), a operação "O Recebedor", desdobramento da Lava Jato que investiga esquema de corrupção na Petrobras, com base em informações colhidas em um depoimento de delação premiada e acordos de leniência que apontaram pagamento de propina para a construção de ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste.  As investigações revelaram prática de cartel e lavagem de dinheiro por meio de superfaturamento de obras públicas.

Lava Jato: PF deflagra operação que aponta para corrupção em obras de ferrovias - Política - iG

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (26), a operação "O Recebedor", desdobramento da Lava Jato que investiga esquema de corrupção na Petrobras, com base em informações colhidas em um depoimento de delação premiada e acordos de leniência que apontaram pagamento de propina para a construção de ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste. As investigações revelaram prática de cartel e lavagem de dinheiro por meio de superfaturamento de obras públicas.

maio.2016 | Promovido na linha da sucessão presidencial com o afastamento de Cunha e o eventual impeachment de Dilma, presidente do Senado Renan Calheiros, PMDB-AL, acumula 11 inquéritos no STF por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro, desvio de dinheiro público e falsidade ideológica. Destes, nove são relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras, apurado pela Lava Jato, e um decorre da Operação Zelotes, que investiga fraudes no Carf  e a venda de medidas provisórias.

maio.2016 | Promovido na linha da sucessão presidencial com o afastamento de Cunha e o eventual impeachment de Dilma, presidente do Senado Renan Calheiros, PMDB-AL, acumula 11 inquéritos no STF por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro, desvio de dinheiro público e falsidade ideológica. Destes, nove são relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras, apurado pela Lava Jato, e um decorre da Operação Zelotes, que investiga fraudes no Carf e a venda de medidas provisórias.

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 8, a operação Crátons, primeira oriunda de compartilhamento de informações da Lava Jato. A partir de interceptações telefônicas e de emails de dois investigados no esquema de corrupção da Petrobrás, apurado na Lava Jato, os investigadores descobriram uma rede de financiamento da extração ilegal de diamantes no chamado “garimpo Lage” (antigo Roosevelt) localizado na reserva indígena Parque do Aripuanã

Grupo ia multiplicar por seis investimento em diamantes, diz PF

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 8, a operação Crátons, primeira oriunda de compartilhamento de informações da Lava Jato. A partir de interceptações telefônicas e de emails de dois investigados no esquema de corrupção da Petrobrás, apurado na Lava Jato, os investigadores descobriram uma rede de financiamento da extração ilegal de diamantes no chamado “garimpo Lage” (antigo Roosevelt) localizado na reserva indígena Parque do Aripuanã

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, fala no 10° Encontro Nacional do Poder Judiciário

Cármen Lúcia diz que ainda não sabe o que vai ocorrer com Lava Jato

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, fala no 10° Encontro Nacional do Poder Judiciário

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) foi denunciado pela PGR, em setembro/2016, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Nesta terça (07.03.2017), ministros da Segunda Turma do STF entenderam que a acusação de pagamento de propina travestido de doação eleitoral deveria ser recebida. De acordo com a investigação, decorrente da Operação Lava Jato, Raupp recebeu R$ 500 mil em 2010 da construtora Queiroz Galvão para sua campanha ao Senado.

Senador Valdir Raupp vira réu acusado de receber propina como doação legal

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) foi denunciado pela PGR, em setembro/2016, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Nesta terça (07.03.2017), ministros da Segunda Turma do STF entenderam que a acusação de pagamento de propina travestido de doação eleitoral deveria ser recebida. De acordo com a investigação, decorrente da Operação Lava Jato, Raupp recebeu R$ 500 mil em 2010 da construtora Queiroz Galvão para sua campanha ao Senado.

Pinterest
Pesquisar