Pinterest • O catálogo de ideias do mundo todo

Explore Seja Em, Apenas Dizer e muito mais!

instrumento musical violão

A artista contemporânea brasileira Adriana Varejão abre exposição no Victoria Miro Mayfair em Londres Mais informações: http://artdaily.com/news/70556/Contemporary- Direitos de autor © artdaily.org

Meu Samba é Roots - O melhor blog de samba e opinião: Afinal, o que é um Samba Roots?

O Museu de arte de Inhotim enfrenta a selvagem crise do Brasil Bernardo Paz, fundador do Centro de Arte Contemporânea de Inhotim sorri durante uma entrevista com a Associated Press em Brumadinho, cerca de 60 km de Belo Horizonte, região sudeste do Brasil, no dia 11 de agosto de 2015. Considerado o maior centro do mundo de arte contemporânea ao ar livre com mais de 20 galerias abriga o trabalho de 85 artistas de 26 nacionalidades diferentes, o Instituto Inhotim também tem uma das maiores…

Detalhe do forro da nave da Igreja de São Francisco da Penitência, Rio Caetano da Costa Coelho foi um pintor e dourador ativo no Brasil colônia na primeira metade do século XVIII. Nasceu provavelmente em Portugal, e faleceu no Rio de Janeiro, em datas ignoradas.

A Bolívia celebra neste sábado (21/6/2014) o ano novo do calendário aymara, que existe há mais de 5.200 anos. Nesta data, que coincide com o início do inverno, sacerdotes da nação indígena esperam o nascer do sol com ritos ancestrais de agradecimentos à Pachamama (mãe terra) e será realizado em Tiwanaku e Samaipata, constituindo-se em um evento da Amazônia andina, que contará com a presença do presidente Evo Morales e outros funcionários do Estado bem como representantes diplomáticos.

Um cartaz usado no Japão para atrair imigrantes para o Brasil. Lê-se: "Vamos para a América do Sul (Brasil)."

O Dia da Imigração Japonesa - ou Dia Nacional da Imigração Japonesa - é comemorado dia 18 de junho. http://sergiozeiger.tumblr.com/post/89201871713/o-dia-da-imigracao-japonesa-ou-dia-nacional-da A imigração japonesa começou no início do século XX, como um acordo entre o governo japonês e o brasileiro, uma vez que o Japão vivia uma crise, enquanto que o Brasil necessitava de mão-de-obra para a lavoura do café. A colônia japonesa do Brasil está dividida em: isseis, nisseis, sanseis e yoseis.