Pinterest • O catálogo de ideias do mundo todo

Esta vespa da China chama atenção pela forma singular de proteger sua prole. Ela coloca formigas mortas no seu ninho, que liberam um gás capaz de mascarar o cheiro das próprias larvas, afastando eventuais predadores. Segundo os cientistas, trata-se do primeiro animal conhecido a utillizar essa barreira química como forma de proteger o ninho. A espécie foi encontrada na Reserva Natural de Gutianshan no leste da China.

A rã Limnonectes larvaepartus é outro animal incrível por seu comportamento parental fora do comum. Ao invés de pôr ovos como a maioria das mais de 6 mil espécies de rãs conhecidas, ou de dar à luz rãzinhas completamente formadas, ela deposita girinos diretamente na água.

O Phryganistria tamdaoensis é uma nova espécie de bicho-pau gigante, que chega a 23 centímetros de comprimento. Um verdadeiro mestre da camuflagem, ele passou despercebido durante anos no Parque Nacional de Tam Dao, em uma área montanhosa no noroeste do Vietnã. Espécimes vivos estão em exposição no biotério do Instituto Real Belga de Ciências Naturais de Bruxelas.

Encontrada no deserto do Marrocos, esta aranha ágil usa um truque digno de ginastas para escapar de situações ameaçadoras. Qdo se sente em risco, a aranha assume logo uma postura ameaçadora, mas, se o perigo persiste, as corridas se tranformam numa série de "cambalhotas" velozes. Faz suas rotações em terrenos planos, declives e em subidas. As altas temperaturas do seu habitat seria fatal p/a aranha se ela persistisse nessa rotina de piruetas, q demanda mta energia.

Esta bromélia é um exemplo de espécie muito conhecida por habitantes locais, mas só recentemente descobertas pela ciência. Ela é comumente incoporada em altares feitos por moradores para retratar o nascimento de Cristo, durante as celebrações de Natal no México. Chamada de Tillandsia religiosa, ela possui picos de cor-de-rosa e folhas verdes planas e pode atingir até 1,5 metros de altura nas regiões montanhosas de Morelos, no Norte do México, a altitudes entre os 1800 e 2100 metros.

Esta planta parasita recém-descoberta (e, acredite, já em risco de extinção) tem aparência de coral, mas vive a 1.500 metros de altitude nas encostas do Monte Mingan, nas Filipinas, em áreas de florestas cobertas de musgo. Plantas parasitas não contém clorofila e são incapazes de realizar fotossíntese, por isso se "alimentam" dos nutrientes de outras plantas vivas. Elas possuem órgãos de sucção especiais, que penetram nos feixes condutores da planta hospedeira.

Sem dúvida, um dos mais belos exemplares é esta lesma do mar de tons azul, vermelho e dourado, residente nas ilhas do Japão. Mas não foram apenas as cores que atraíram os cientistas. Este gastrópode pode ajudar a compreender como é que as algas existentes no seu tubo digestivo produzem nutrientes para a lesma a partir dos corais que ela ingere.

Encontrada no mar da Austrália a mil metros de profundidade, a Dendrogramma enigmatica é 1 animal multicelular parecido c/cogumelos. Seu corpo consiste, basicamente, de uma haste de 8 mm c/1 extremidade na forma de 1 disco achatado e a boca na outra ponta. Segundo os cientistas, esta nova espécie pode estar relacionada ao filo Cnidaria ou Ctenophora, ou ainda ser um filo inteiramente novo. Eles também se assemelham a fosséis do tempo pré-cambriano.