Capela de São Jacinto - Vista geral .  D. João V nas Caldas da Rainha, entre 1742 e 1748, com a corte que o acompanhava, trouxe melhoramentos para a vila, a edificação da capela de São Jacinto, com o seu revestimento cerâmico, por artistas da capital. As obras da capela, que devem ter ocupado a 1ª metade do séc XVIII, estando terminadas em 1745, data pintada na cruz de azulejos sobre a porta da sacristia, que ajuda a datar não apenas o edifício, mas também a campanha azulejar do seu…

Capela de São Jacinto - Vista geral . D. João V nas Caldas da Rainha, entre 1742 e 1748, com a corte que o acompanhava, trouxe melhoramentos para a vila, a edificação da capela de São Jacinto, com o seu revestimento cerâmico, por artistas da capital. As obras da capela, que devem ter ocupado a 1ª metade do séc XVIII, estando terminadas em 1745, data pintada na cruz de azulejos sobre a porta da sacristia, que ajuda a datar não apenas o edifício, mas também a campanha azulejar do seu…

Palácio do Freixo - Porto, Portugal - Photo: lamego

Santuário de Nossa Senhora dos Remédios, Lamego, distrito de Viseu (Viseu District), Portugal

Do Tempo da Outra Senhora: Nossa Senhora no Azulejo Português

Do Tempo da Outra Senhora: Nossa Senhora no Azulejo Português

Capela das Almas, Porto, Portugal

Capela de Santa Catarina (Santo Ildefonso) – Wikipédia, a enciclopédia livre

Igreja da Misericórdia, ligada à renascença coimbrã, serviu de Sé aquando da criação do Bispado de Aveiro. A construção em 1600 e em 1608 concluiu-se a Casa do Despacho, em 1623 o corpo da igreja e porta principal e, em 1653, a capela-mor. No séc XVII o retábulo e o revestimento interior com azulejos lisbonenses. Já no séc XVIII procedeu-se ao douramento da capela-mor e aplicação de talha dourada nas sanefas da nave. Em 1767 foi executado o órgão e em 1876 revestiu-se a fachada d' azulejos

Aveiro capta a essência de um destino que esperaríamos ver num livro de viagens, com os seus moliceiros semelhantes a gôndolas, lagoas na...

Calvário (Primeiro quartel do século XVIII). Painel de azulejos, fabrico de Lisboa. Arquidiocese de Évora.

30 de Novembro A 30 de Novembro de 1935 morre em Lisboa, com 47 anos de idade, Fernando Pessoa poeta, filó...

Cerâmica Portuguesa ~Nossa Senhora do Carmo, Fabrico de Coimbra     Cerca de 1780, já em pleno reinado de D. Maria I, surge o estilo neoclássico. O azulejo português aderiu  às influências que chegavam da Europa e exprimiu-se, sobretudo sob a forma de alizares com enquadramentos retilíneos e elementos decorativos polícromos em que predominam os florões,  grinaldas,  plumas,  "chinoiseries" os medalhões com paisagens. O "estilo D. Maria" em Portugal, durou até ao princípio do século XIX.

Cerâmica Portuguesa ~Nossa Senhora do Carmo, Fabrico de Coimbra Cerca de 1780, já em pleno reinado de D. Maria I, surge o estilo neoclássico. O azulejo português aderiu às influências que chegavam da Europa e exprimiu-se, sobretudo sob a forma de alizares com enquadramentos retilíneos e elementos decorativos polícromos em que predominam os florões, grinaldas, plumas, "chinoiseries" os medalhões com paisagens. O "estilo D. Maria" em Portugal, durou até ao princípio do século XIX.

Mercado de sábado: os barros. Ao fundo e ao centro, o Castelo de Estremoz. À direita, os campanários da extinta Igreja de Santo André.  A arte do azulejo herdada dos árabes, enraizou-se entre nós no século XVI, fruto da prosperidade económica resultante da expansão marítima portuguesa, que permitiu a construção de igrejas e palácios. Estes foram decorados interiormente com cenas sagradas ou profanas, que por vezes também ornamentam alguns jardins de palácios.

A Escrita como Instrumento de Libertação do Homem

A 24 de Setembro de 1834, morre D. Pedro IV, o Libertador (1798-1834), rei de Portugal e primeiro imperador do Brasil. Revestimento a azulejo no corredor das mangas do Palácio de Queluz, local onde nasceu D. Pedro IV.

A 24 de Setembro de morre D. Pedro IV, o Libertador rei de Portugal e primeiro imperador do Brasil. Revestimento a azulejo no corredor das mangas do Palácio de Queluz, local onde nasceu D. Pedro IV.

O Paço Real de Sintra, classificado como monumento nacional, construído pelos árabes, sem  muita importância até ao início da dinastia de Avis, séc. XV, qdo, com D. João I, se torna num paço real de veraneio. Só no reinado de D. Manuel, no séc XVI, em plena Renascença, foi a fortaleza.  Sala dos Brasões, (1508) enchendo-o de elementos neo-árabes que atraíam toda a Corte. Inicia-se então 1 época áurea para o Palácio da Vila, que se prolongou ainda com D. João III.medieval transformada em…

O Paço Real de Sintra, classificado como monumento nacional, construído pelos árabes, sem muita importância até ao início da dinastia de Avis, séc. XV, qdo, com D. João I, se torna num paço real de veraneio. Só no reinado de D. Manuel, no séc XVI, em plena Renascença, foi a fortaleza. Sala dos Brasões, (1508) enchendo-o de elementos neo-árabes que atraíam toda a Corte. Inicia-se então 1 época áurea para o Palácio da Vila, que se prolongou ainda com D. João III.medieval transformada em…

Pinterest
Pesquisar