Explore António Corvo, Carente e muito mais!

Na alergia, espirro Atchim! Me cura! Doente...  Na alegria, esporro Assim! Me curra! Carente...  Vitamina C Você E cama  — António Corvo

Na alergia, espirro Atchim! Me cura! Doente... Na alegria, esporro Assim! Me curra! Carente... Vitamina C Você E cama — António Corvo

Rasgo a seda Que te veste Porque é a carne O que me seda  Rasgo a carne Que te cobre Porque é a alma Que me encarna  Rasgo a alma Em meio aos trapos Fibras e fiapos Que sobraram  Rasgo o ar Em queda livre Da janela Do último andar  À minha espera A Fera A Bela Não me esperou  - António Corvo #antóniocorvoescritor facebook.com/ailhadocorvo ailihadocorvo.blogspot.com @antónio.corvo @antónio_corvo

Rasgo a seda Que te veste Porque é a carne O que me seda Rasgo a carne Que te cobre Porque é a alma Que me encarna Rasgo a alma Em meio aos trapos Fibras e fiapos Que sobraram Rasgo o ar Em queda livre Da janela Do último andar À minha espera A Fera A Bela Não me esperou - António Corvo #antóniocorvoescritor facebook.com/ailhadocorvo ailihadocorvo.blogspot.com @antónio.corvo @antónio_corvo

Mais fácil fosse Falar teu nome A escrevê-lo Assim a ti Como as palavras O vento levaria embora Ao passo que o peso Da pesada prosa Nem o tempo arrasta Para fora  Por isso peço Não me escreva cartas Mas canta meu nome Para que o vento me voe Como voa a folha de outono: Numa dança para a morte Cor de âmbar-esquecimento  - António Corvo @antonio.corvo    @antonio_corvo     facebook.com/ailhadocorvo ailhadocorvo.blogspot.com

Mais fácil fosse Falar teu nome A escrevê-lo Assim a ti Como as palavras O vento levaria embora Ao passo que o peso Da pesada prosa Nem o tempo arrasta Para fora Por isso peço Não me escreva cartas Mas canta meu nome Para que o vento me voe Como voa a folha de outono: Numa dança para a morte Cor de âmbar-esquecimento - António Corvo @antonio.corvo @antonio_corvo facebook.com/ailhadocorvo ailhadocorvo.blogspot.com

Você que ao sair Apagou a luz E sumiu: Se um dia voltar O interruptor Já não estará No mesmo lugar  Já os fios De alta tensão... Surpresa! Apagou-se também O seu coração  - António Corvo  facebook.com/ailhadocorvo ailhadocorvo.blogspot.com @antonio.corvo   @antonio_corvo

Você que ao sair Apagou a luz E sumiu: Se um dia voltar O interruptor Já não estará No mesmo lugar Já os fios De alta tensão... Surpresa! Apagou-se também O seu coração - António Corvo facebook.com/ailhadocorvo ailhadocorvo.blogspot.com @antonio.corvo @antonio_corvo

Escreve o que te direi E não pensa A prensa te espera Espero Digo Que todos os nomes do amor Morram na letra inanimada Porque a vida é viva E a escrita é morta Um poema lido É um beijo que não se deu  Registra o que te falo Com exatidão E deixa ir ao vento Não espera a prensa Te ouço Falo Que todo o ódio Desenfureça na poesia De amores e fantasia Ao papel Com tudo que a vida prescinde  É, pois, salvação, Toda poesia maldita Que prende no verso O que não se quer na vida (...)  António Corvo

Escreve o que te direi E não pensa A prensa te espera Espero Digo Que todos os nomes do amor Morram na letra inanimada Porque a vida é viva E a escrita é morta Um poema lido É um beijo que não se deu Registra o que te falo Com exatidão E deixa ir ao vento Não espera a prensa Te ouço Falo Que todo o ódio Desenfureça na poesia De amores e fantasia Ao papel Com tudo que a vida prescinde É, pois, salvação, Toda poesia maldita Que prende no verso O que não se quer na vida (...) António Corvo

Oi, tava em dó    Dói  Rever-te  Me esquece  Faz favor  Só um pouco  Lá dentro  Sinto  Dor    - António Corvo  #antóniocorvoescritor  facebook.com/ailhadocorvo  ailhadocorvo.blogspot.com

Oi, tava em dó Dói Rever-te Me esquece Faz favor Só um pouco Lá dentro Sinto Dor - António Corvo #antóniocorvoescritor facebook.com/ailhadocorvo ailhadocorvo.blogspot.com

Os amores são como flores  Oh, eu sei, a rima é velha  Como a moça na janela  Mas são assim, falo por mim    Há os que crescem e florescem  E pintam de todas as cores  E perfumam de todos os odores  E tem de mulher todos os nomes    Há os que morrem broto  Aqueles que não vingam  E são devorados por insetos  E fungos e ódios e voltam à terra  (...)    - António Corvo  #antóniocorvoescritor  facebook.com/ailhadocorvo  ailhadocorvo.blogspot.com  @antonio.corvo  @antonio_corvo

Os amores são como flores Oh, eu sei, a rima é velha Como a moça na janela Mas são assim, falo por mim Há os que crescem e florescem E pintam de todas as cores E perfumam de todos os odores E tem de mulher todos os nomes Há os que morrem broto Aqueles que não vingam E são devorados por insetos E fungos e ódios e voltam à terra (...) - António Corvo #antóniocorvoescritor facebook.com/ailhadocorvo ailhadocorvo.blogspot.com @antonio.corvo @antonio_corvo

A ilha do Corvo, onde praticamente tudo é único, incluindo os seus habitantes. ©António Luís Campos

A ilha do Corvo, onde praticamente tudo é único, incluindo os seus habitantes. ©António Luís Campos

(uma prosa poética, a pedidos, meus, para variar) Estou escrevendo essa carta porque, primeiro, já não se escrevem cartas e, segundo, porque é para você, minha única destinatária, de longa distância, de longínquas memórias, de tão recente afeto. Não era para escrevê-la, primeiro, porque já não se escrevem cartas, segundo, porque minhas relevâncias lhe são provavelmente as mais irrelevantes possíveis. (...)  - António Corvo facebook.com/ailhadocorvo ailhadocorvo.blogspot.com

(uma prosa poética, a pedidos, meus, para variar) Estou escrevendo essa carta porque, primeiro, já não se escrevem cartas e, segundo, porque é para você, minha única destinatária, de longa distância, de longínquas memórias, de tão recente afeto. Não era para escrevê-la, primeiro, porque já não se escrevem cartas, segundo, porque minhas relevâncias lhe são provavelmente as mais irrelevantes possíveis. (...) - António Corvo facebook.com/ailhadocorvo ailhadocorvo.blogspot.com

Ah, amantes sorridentes Mais sorrisos do que dentes Não se iludam As coisas mudam E um dia o amor acaba  Acaba com a paciência Com a tranquilidade Com o sossego da gente O amor tumultua  Acaba com a paz Capaz de matar! Mata-me de amor Acaba comigo!  E é para sempre Que tudo termina Por causa do amor Porque o amor Prova cabal O amor não acaba  - António Corvo #antóniocorvoescritor facebook.com/ailhadocorvo @antonio.corvo  @antonio_corvo

Ah, amantes sorridentes Mais sorrisos do que dentes Não se iludam As coisas mudam E um dia o amor acaba Acaba com a paciência Com a tranquilidade Com o sossego da gente O amor tumultua Acaba com a paz Capaz de matar! Mata-me de amor Acaba comigo! E é para sempre Que tudo termina Por causa do amor Porque o amor Prova cabal O amor não acaba - António Corvo #antóniocorvoescritor facebook.com/ailhadocorvo @antonio.corvo @antonio_corvo

Pinterest • O catálogo de ideias do mundo todo
Pesquisar