Explore Cores Tropicais, Pontilhismo e muito mais!

Domingo Ramos (1946 -     ) – Artista impressionista, movimento do qual será o percursor  na ilha de Cuba. O uso do Pontilhismo na vegetação e paisagens é uma marca das suas passagens pela Europa.   “El Vale Esmeralda, Panes Asturias”, de 1928 – O artista debruça-se particularmente sobre a representação em tela da região de Pinar del Rio, lugar perfeito para o uso de cores tropicais e técnicas de luz.

Domingo Ramos (1946 - ) – Artista impressionista, movimento do qual será o percursor na ilha de Cuba. O uso do Pontilhismo na vegetação e paisagens é uma marca das suas passagens pela Europa. “El Vale Esmeralda, Panes Asturias”, de 1928 – O artista debruça-se particularmente sobre a representação em tela da região de Pinar del Rio, lugar perfeito para o uso de cores tropicais e técnicas de luz.

sandy skoglund

Décadas antes do Photoshop estar disponível, a artista americana Sandy Skoglund começou a criar imagens surrealistas através da construção de conjuntos inc

Piel de Otoño, 1973  Dario Suro (1918 - 1998) - Dario Suro (1918 - 1998) - É considerado um dos renovadores da arte plástica Dominicana. Foi um dos principais criadores dominicanos, influenciado pela escola Latino-Americana. Nunca deixou de renovar a sua expressão artística.

Piel de Otoño, 1973 Dario Suro - - Dario Suro - - É considerado um dos renovadores da arte plástica Dominicana. Foi um dos principais criadores dominicanos, influenciado pela escola Latino-Americana. Nunca deixou de renovar a sua expressão artística.

Carlos Quintana (1966 -     ) - Quintana pinta em telas viradas ao contrário, de grandes dimensões, como forma de inspiração, no sentido de alcançar novas direções para os seus trabalhos. Espalha a tinta na tela com as próprias mãos, depois de a ter diluído com terbentina ou com a sua própria saliva.   Críticos de arte consideram que Quintana tem claramente a capacidade de conquistar novos rumos, ao transformar um ato de maldade num eloquente e mágico trabalho artístico.

Carlos Quintana (1966 - ) - Quintana pinta em telas viradas ao contrário, de grandes dimensões, como forma de inspiração, no sentido de alcançar novas direções para os seus trabalhos. Espalha a tinta na tela com as próprias mãos, depois de a ter diluído com terbentina ou com a sua própria saliva. Críticos de arte consideram que Quintana tem claramente a capacidade de conquistar novos rumos, ao transformar um ato de maldade num eloquente e mágico trabalho artístico.

Belo...

Por teu pálido seio uma lágrima escorria até se espatifar contra tua coxa nua. O pranto triste que prateava a presença tua, perdia a cen...

Eduardo Kingman (1913-1998) - É um dos mais vigorosos artistas das artes visuais equatorianas do séc. XX.  “Pareja", de 1979 – Nesta obra as poderosas mãos das suas personagens são uma temática que usa como símbolo inquietante da força da resistência. Kingman ficou conhecido por usar repetidamente esta simbologia.

Eduardo Kingman (1913-1998) - É um dos mais vigorosos artistas das artes visuais equatorianas do séc. XX. “Pareja", de 1979 – Nesta obra as poderosas mãos das suas personagens são uma temática que usa como símbolo inquietante da força da resistência. Kingman ficou conhecido por usar repetidamente esta simbologia.

Raonel Puente  – Artista cubano ganha projeção através da obra “Guerrero, c.” de 1998, e eleva ao expoente máximo o expressionismo nesta exposição de Arte Latino Americana. “Guerrero, c.”, de 1998 – Nesta obra a alteração das cores e da forma, características fundamentais do Expressionismo, ganham contornos de Guerreiro, num insistente “ataque à tela” visível pela desordeira utilização das cores e nítidas pinceladas do artista.

Raonel Puente – Artista cubano ganha projeção através da obra “Guerrero, c.” de 1998, e eleva ao expoente máximo o expressionismo nesta exposição de Arte Latino Americana. “Guerrero, c.”, de 1998 – Nesta obra a alteração das cores e da forma, características fundamentais do Expressionismo, ganham contornos de Guerreiro, num insistente “ataque à tela” visível pela desordeira utilização das cores e nítidas pinceladas do artista.

Alejandro Mendez Lloret - A poesia pitoresca do artista cria uma paisagem fotográfica sem existência. “Véus de marco”, de 2005 – Nesta obra a paisagem imaginária representa um espaço puro, sem memória, totalmente preservado por um desejo infantil de conservação. É como um santuário que está completamente livre de cuidados e que se desconectou do crescimento predatório e do desenvolvimento assustador da tecnologia e dos novos media.

Alejandro Mendez Lloret - A poesia pitoresca do artista cria uma paisagem fotográfica sem existência. “Véus de marco”, de 2005 – Nesta obra a paisagem imaginária representa um espaço puro, sem memória, totalmente preservado por um desejo infantil de conservação. É como um santuário que está completamente livre de cuidados e que se desconectou do crescimento predatório e do desenvolvimento assustador da tecnologia e dos novos media.

Pinterest
Pesquisar