Explore Castelo, Folha e muito mais!

Explorar tópicos relacionados

Anulada, Operação Castelo de Areia antecipou características da Lava Jato - 01/03/2017 - Poder - Folha de S.Paulo

Anulada, Operação Castelo de Areia antecipou características da Lava Jato - 01/03/2017 - Poder - Folha de S.Paulo

Em março do ano passado, os investigadores da Operação Lava Jato revelaram que a Odebrecht tinha uma divisão destinada a operacionalizar o pagamento de propinas. Conhecido internamente como Setor de Operações Estruturadas, o departamento tinha funcionários e até um sistema informatizado para a distribuição do suborno.

Anulada, Operação Castelo de Areia antecipou características da Lava Jato

Em março do ano passado, os investigadores da Operação Lava Jato revelaram que a Odebrecht tinha uma divisão destinada a operacionalizar o pagamento de propinas. Conhecido internamente como Setor de Operações Estruturadas, o departamento tinha funcionários e até um sistema informatizado para a distribuição do suborno.

Procuradores suíços remeteram ao Brasil documentos que comprovavam o pagamento de propinas, e um dos fornecedores de equipamentos, a francesa Alstom, tornou-se sinônimo da própria encrenca. Ela compartilhava os consórcios de obras de linhas do Metrô de São Paulo com as empreiteiras Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Queiroz Galvão. Segundo o MP da Suíça, entre 1998 e 2001, a Alstom aspergiu US$ 34 milhões na burocracia paulista sob a forma de contratos fictícios de…

A Lava Jato chegou ao PSDB

Procuradores suíços remeteram ao Brasil documentos que comprovavam o pagamento de propinas, e um dos fornecedores de equipamentos, a francesa Alstom, tornou-se sinônimo da própria encrenca. Ela compartilhava os consórcios de obras de linhas do Metrô de São Paulo com as empreiteiras Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Queiroz Galvão. Segundo o MP da Suíça, entre 1998 e 2001, a Alstom aspergiu US$ 34 milhões na burocracia paulista sob a forma de contratos fictícios de…

Segundo a PF, um integrante da CPI da Petrobras no Senado e da CPI mista da estatal teria "atuado de forma incisiva no sentido de evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento, mediante a cobrança de pagamentos indevidos travestidos de doações eleitorais oficiais em favor dos partidos de sua base de sustentação".  Gim Argello era o vice-presidente da Comissão, que funcionou em 2014. O ex-senador era próximo da presidente Dilma –os dois já foram parceiros de caminhadas.

Ex-senador Gim Argello é preso em nova fase da Lava Jato

Segundo a PF, um integrante da CPI da Petrobras no Senado e da CPI mista da estatal teria "atuado de forma incisiva no sentido de evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento, mediante a cobrança de pagamentos indevidos travestidos de doações eleitorais oficiais em favor dos partidos de sua base de sustentação". Gim Argello era o vice-presidente da Comissão, que funcionou em 2014. O ex-senador era próximo da presidente Dilma –os dois já foram parceiros de caminhadas.

A Andrade Gutierrez, segunda maior empreiteira do país, afirma ter pago despesas com fornecedores da campanha eleitoral de Dilma Rousseff em 2010. O pagamento, ilícito, foi feito por meio de contrato fictício de prestação de serviço.  A revelação foi feita no acordo para a delação premiada de 11 executivos da Andrade, segundo a Folha apurou, e é a primeira citação direta de irregularidade apurada pela Lava Jato que envolve uma campanha da presidente da República.

Andrade diz ter pagado ilegalmente dívida de campanha de Dilma em 2010

A Andrade Gutierrez, segunda maior empreiteira do país, afirma ter pago despesas com fornecedores da campanha eleitoral de Dilma Rousseff em 2010. O pagamento, ilícito, foi feito por meio de contrato fictício de prestação de serviço. A revelação foi feita no acordo para a delação premiada de 11 executivos da Andrade, segundo a Folha apurou, e é a primeira citação direta de irregularidade apurada pela Lava Jato que envolve uma campanha da presidente da República.

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) foi denunciado pela PGR, em setembro/2016, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Nesta terça (07.03.2017), ministros da Segunda Turma do STF entenderam que a acusação de pagamento de propina travestido de doação eleitoral deveria ser recebida. De acordo com a investigação, decorrente da Operação Lava Jato, Raupp recebeu R$ 500 mil em 2010 da construtora Queiroz Galvão para sua campanha ao Senado.

Senador Valdir Raupp vira réu acusado de receber propina como doação legal

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) foi denunciado pela PGR, em setembro/2016, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Nesta terça (07.03.2017), ministros da Segunda Turma do STF entenderam que a acusação de pagamento de propina travestido de doação eleitoral deveria ser recebida. De acordo com a investigação, decorrente da Operação Lava Jato, Raupp recebeu R$ 500 mil em 2010 da construtora Queiroz Galvão para sua campanha ao Senado.

O pecuarista José Carlos Bumlai, na 21ª fase da Operação Lava Jato, deixa o IML de Curitiba (PR) após exame de corpo de delito. A prisão na semana passada acendeu temor de novos estragos no Planalto e no PT em virtude da proximidade de Bumlai com o ex-presidente Lula e pela atuação do empresário em áreas sensíveis, como a Petrobras, o BNDES e o setor elétrico.

José Carlos Bumlai diz ter ganhado R$ 2 milhões em sorteio

O pecuarista José Carlos Bumlai, na 21ª fase da Operação Lava Jato, deixa o IML de Curitiba (PR) após exame de corpo de delito. A prisão na semana passada acendeu temor de novos estragos no Planalto e no PT em virtude da proximidade de Bumlai com o ex-presidente Lula e pela atuação do empresário em áreas sensíveis, como a Petrobras, o BNDES e o setor elétrico.

24.11.2015 | A Polícia Federal prendeu na manhã desta terça-feira o pecuarista José Carlos Bumlai em decorrência da 21ª fase da operação Lava Jato, que investiga os desvios bilionários da Petrobras. Apontado como amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bumlai é acusado de fazer tráfico de influência usando o nome do ex-presidente Lula e até de seus parentes. Batizada de Passe Livre, essa nova fase da Lava Jato levou esse nome porque Bumlai tinha livre acesso ao Palácio do Planalto.

Pecuarista Bumlai é preso por tráfico de influência usando o nome de Lula

24.11.2015 | A Polícia Federal prendeu na manhã desta terça-feira o pecuarista José Carlos Bumlai em decorrência da 21ª fase da operação Lava Jato, que investiga os desvios bilionários da Petrobras. Apontado como amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bumlai é acusado de fazer tráfico de influência usando o nome do ex-presidente Lula e até de seus parentes. Batizada de Passe Livre, essa nova fase da Lava Jato levou esse nome porque Bumlai tinha livre acesso ao Palácio do Planalto.

Marcelo Odebrecht foi condenado nesta terça-feira a 19 anos de prisão por seu envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, o considerou culpado dos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e o aponta como integrante de organização criminosa. Presidente afastado da Odebrecht, ele estava preso preventivamente desde junho de 2015, e por decisão do magistrado continuará detido até ter os recursos…

Marcelo Odebrecht é condenado a 19 anos de prisão pela Lava Jato

Marcelo Odebrecht foi condenado nesta terça-feira a 19 anos de prisão por seu envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, o considerou culpado dos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e o aponta como integrante de organização criminosa. Presidente afastado da Odebrecht, ele estava preso preventivamente desde junho de 2015, e por decisão do magistrado continuará detido até ter os recursos…

Desde 2008, quando a Siemens alemã demitiu o presidente de sua filial brasileira "por grave contravenção das diretrizes" da empresa, as administrações tucanas são perseguidas por denúncias de irregularidades na contratação de serviços e equipamentos em obras de transporte público. A Siemens colaborou com o Ministério Público quando a expressão "delação premiada" ainda era pouco conhecida e fez isso a partir de uma reviravolta na política de sua matriz.

A Lava Jato chegou ao PSDB

Desde 2008, quando a Siemens alemã demitiu o presidente de sua filial brasileira "por grave contravenção das diretrizes" da empresa, as administrações tucanas são perseguidas por denúncias de irregularidades na contratação de serviços e equipamentos em obras de transporte público. A Siemens colaborou com o Ministério Público quando a expressão "delação premiada" ainda era pouco conhecida e fez isso a partir de uma reviravolta na política de sua matriz.

Pinterest
Pesquisar